×
EN | PT | ES
About us Restaurants Our dishes Reservations News Events Rubaiyat Farm Foundation Our Fig Tree Contact Privacy Policy
Instagram Facebook Linkedin
Rubaiyat
Collapsable Navbar

Nossa Figueira

Aqui tem um patrimônio ambiental.

Família: MORACEAE
Gênero: Ficus
Espécie: Ficus benghalensis L.
Diâmetro à altura do peito: Aproximadamente 6 metros
Diâmetro da copa: Aproximadamente 46 metros
Origem: Índia (Região de Bengala do Oeste)
Nomes populares: Figueira-branca, Figueira-de-Bengala, Banyan
Idade aproximada: 120 a 150 anos
A Figueira-de-bengala situada no interior do Restaurante Rubaiyat tem muito mais que beleza e raridade: ela também tem e é testemunha da história da cidade de São Paulo. Tendo seu plantio estimado na década de 1890, ainda como uma pequena muda, a Figueira viu seu entorno direto mudar de paisagem, de uma bela e verde chácara, até um dos centros gastronômicos de uma cidade que se desenvolveu rapidamente, ganhando o primeiro período de urbanização mais intensa o apelido de “Paulicéia Desvairada”; a Figueira foi local de diversão e abrigo de anciãos do bairro, que até hoje se lembram com carinho dos tempos verdes e rurais do bairro, e da própria árvore. Muitas árvores contemporâneas a ela já se foram, por muitos e diferentes motivos, e a figueira continua crescendo vigorosa e destacando-se em uma das ilhas verdes de uma cidade de paisagem predominantemente cinza.
A figueira-de-bengala, ou Banyan (nome pelo qual é mais conhecida localmente) é a árvore-símbolo da Índia. Se no Estado de São Paulo ela é protegida por sua Beleza, Porte e Raridade, ela é tida pelos hindus como símbolo de Sabedoria e Longevidade. Há relatos de que ainda na infância, as meninas hindus têm o hábito de plantaram a muda de banyan, pedindo aos Deuses que tenham um bom marido, e que seja o mesmo ao longo de suas 7 encarnações.
Por que a arborização urbana é tão importante?
• As árvores, em suas diversas espécies, proporcionam abrigo, ninhos e alimentação a diversos tipos de animais;
• A vegetação proporcionam conforto visual e ambiental aos habitantes dos centros urbanos, uma vez que o colorido de seus caules, troncos, folhas e flores modifica a paisagem cinzenta predominante, oriunda do vasto processo de urbanização;
• As árvores auxiliam à melhoria da qualidade do ar;
• Em áreas próximas às margens de rios e/ou mananciais, a arborização e até mesmo a vegetação rasteira auxiliam na proteção contra o assoreamento e extinção destes cursos d´água;
• Além da produção de oxigênio, as árvores têm a evaporação de água das suas folhas, tornando-se parte importante do ciclo da água nas imediações;
Como ter árvores adequadas à sua cidade ou bairro:
• Consulte inicialmente as Prefeituras Regionais, que têm uma lista de espécies indicadas para plantio urbano;
• Priorize espécies nativas (ou seja, naturais da região);
• Procure informações sobre o porte máximo que cada espécie pode atingir;
• Plante somente em espaços adequados ao crescimento sem sofrimento das árvores e de acordo com a legislação vigente;
• Em caso de dúvidas, procure sempre um profissional habilitado a lhe auxiliar,como biólogos, engenheiros agrônomos ou florestais;
Desde a primeira visita e escolha do local para seu novo empreendimento, que viria a marcar a agenda internacional da gastronomia paulistana, houve uma preocupação do Sr. Belarmino Iglesias e do Sr. Belarmino Iglesias Filho em buscar a recuperação da figueira-de-bengala existente naquele espaço, então dividido entre um comércio e seu estacionamento, que se encontrava em péssimas condições fitossanitárias. Para tal, buscou profissionais habilitados.

Primeiramente, o biólogo Ítalo Mazzarella, e sua equipe da Gaia Consultoria e Gestão Ambiental, que realizaramos trabalhos de recuperação fitossanitária, monitoramento e Educação Ambiental. Membro desta equipe desde 2002, o biólogo Gabriel Costa assumiu em 2012 com sua empresa, a Piaget Consultoria Ambiental, a continuidade destes trabalhos, visando manter as boas condições fitossanitárias e o livre desenvolvimento do espécime arbóreo.

Além disso, há alguns anos a figueira-de-bengala conta ainda com a atenção e os cuidados da 4ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente da Capital, através do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) preventivo celebrado. O Órgão do Ministério Público do Estado de São Paulo tem atuado brilhantemente, contribuindo de forma ímpar à proteção e à conservação do espécime, bem como garantindo o alcance de todos a este patrimônio ambiental.
Você sabia?
• Na Índia há receitas gastronômicas bem interessantes utilizando os “figos” da banyan;
• Algumas vezes, ao longo de seu crescimento, diferentes árvores da espécie Ficusbenghalensis se fundem, formando verdadeiros bosques… O maior deles, na Índia, tem o tamanho equivalente a mais de 80 campos de futebol.
• Os primeiros europeus a desfrutarem da sombra e do abrigo da figueira-de-bengala foram Alexandre, O Grande, e seu exército, por volta de 326 a.C.;
• Há uma banyan no Estado de Utta Pradesh legendária, que dizem ser imortal.
• Outra, em Andhra Pradesh, pode abrigar até 20 mil pessoas.
Corte e a Poda de Vegetação de Porte Arbóreo:
Lei Municipal 10.365/87
Decreto Municipal 26.535/88
Lei Municipal 10.919/90
Lei Federal 9.605/98
Decreto Federal 6.514/08
Portaria 36/08-SVMA

Campanha Permanente de Incentivo à Arborização de Ruas, Praças e Jardins da Cidade:
Lei Municipal 12.196/96
Decreto Municipal 37.587/98
Lei 14.186/06

Tombamento da Vegetação Significativa do Município de São Paulo:
Decreto Estadual 30.443/89

Aqui tem um patrimônio ambiental
Agende uma visita monitorada.